O rato e a caranguejeira

Curso Online - Caminho de Santiago de CompostelaPowered by Rock Convert

No nosso último domingo, o intuito não era pegar pesado na trilha e sim, de andar um pouco e curtir um dia em família e sossegado, realmente sair para respirar ar puro, mas podendo olhar, o tempo inteiro para a Serra do Espinhaço (nossa paixão).

O dia amanheceu com temperatura bem amena, aquele sol envergonhado e, com toda aquela vontade de dar uma escapadinha e mudar de ambiente, resolvemos e fomos todos para um sítio de um amigo na Serra do Cipó.

Vamos sempre até a Serra do Cipó, todas as idas possuem um encantamento diferente que enche os olhos de alegria e satisfação ao ver a cadeia da serra, por ser um lugar tão bonito e relativamente perto de casa (100km em média). No caminho sempre encontramos algo que nos chama a atenção, e dessa vez, podemos presenciar e registrar essa imagem lindíssima.

arvore400

No sítio
A caranguejeira de "O rato e a caranguejeira".
A caranguejeira de “O rato e a caranguejeira”.

Chegamos no sítio e uma surpresa, sentimos um forte odor vindo da água. Gostamos de sempre ajudar e desvendar as coisas e olhamos o que poderia estar acontecendo e, tcharam! Um rato bem grande morto dentro da caixa d’água da propriedade! Não é algo agradável pegar um bicho morto e em estado avançado de decomposição mas, fizemos isso. O Rei foi o corajoso que “pescou” o rato com uma enxada, única ferramenta disponível para isso…eu só olhei! rs.

Após a retirada do rato, o próximo passo era a desinfecção da caixa d’água, que é beeem grande. A bomba fica em outra caixa e foi um verdadeiro sobe e desce, liga e desliga bomba…e, nessa brincadeira, acabou que andamos muito! O sol começou a esquentar e, depois de um belo e demorado trabalho com a caixa d’água, já com tudo limpo e descontaminado, resolvemos nadar um pouco em uma bela corredeira com um poço grande e claro, com uma água sempre gelada como é típico de Minas Gerais, mas muito gostosa depois de muito suar. Resolvemos andar mais um pouco e descemos por volta de uns 300 metros no leito do rio. Pulando uma pedra aqui, outra ali, fomos descobrindo lugares cada vez mais bonitos! Voltamos e, alguém tinha que desligar a bomba, já que a caixa d’água estava cheia e uma surpresa: uma bela de uma aranha caranguejeira bem no meio do caminho! Este encontro me deixou extasiada e corri novamente pra casa para pegar a câmera e o celular pra fazer umas fotos.

Chamei o Rei e descemos correndo e, ao chegarmos lá, cadê a aranha? Ela se camuflou em um pequeno arbusto próximo, mas, com carinho, conseguimos que ela saísse de lá. A aranha ficou ali, parada, estática, nos deixando fotografar e admirar a sua beleza com amor e respeito. Foram ótimos momentos!

Fim do dia

A noite foi chegando e decidimos que já era hora de vir embora.  A batalha da segunda-feira estava próxima e o domingo, mais que agradável, já estava deixando saudade. A vontade é de que a semana seja proveitosa e que a próxima aventura aconteça o mais breve possível. Aguardaremos ansiosos! Fiquem conosco!

Queremos saber a sua opinião sobre o nosso conteúdo!